A História do Mármore - Michelangelo
A História do Mármore

Em 21 de março de 2022

Essa maravilhosa rocha natural é o resultado de uma transformação físico-química do calcário, resultante da exposição a alta temperatura e pressões baixas a medianas, as quais chamamos de metamorfismo. Por isso o mármore é denominado como sendo uma rocha metamórfica, devido à transformação da rocha calcária em mármore.

O mármore é encontrado em regiões com grandes atividades tectônicas e ambientes marinhos, onde ocorreram eventos que atuaram nas rochas a altas temperaturas e com pressões variando de baixas a altíssimas. Assim temos os dois principais ingredientes para a formação do mármore: temperatura e pressão.

Dependendo da composição dos minerais presentes na rocha, ela pode apresentar cores variadas além do branco, como rósea, amarela e vermelha devido à presença do mineral limonita ou goethita, enquanto os mármores cinza ou pretos possuem matéria orgânica em sua composição.

O uso do mármore na Antiguidade

Os primeiros registros da História do uso do mármore são de quase 5 mil anos e acredita-se que tenha começado no antigo Egito, utilizando o material na construção de túmulos de faraós e de pirâmides, somente na pirâmide de Keops (147 metros de altura) foram usados 2,3 milhões de blocos de calcário.

Depois dos egípcios, foram os gregos que adotaram o mármore em suas geniais construções: o Parthenon, o Templo de Zeus e o Templo de Artemis. Estas construções são exemplos no uso do mármore até hoje, sendo que o Templo de Artemis ostentava 127 colunas da pedra, todas com 18 metros de altura e 2 metros de diâmetro. Uma pena que essas obras espetaculares tenham sido danificadas ou mesmo destruídas, com a ação do tempo e de diversas batalhas territoriais da história.

A rocha também foi extraída e utilizada durante o Império Romano, responsável por utilizar o mármore nas construções privadas, estimulando assim o luxo e a riqueza de quem possuía o mármore.

A chegada na Idade Média 

Na Idade Média, o mármore passou a ser usado no interior de casas e igrejas tornando-se um material indispensável na construção civil e amplamente utilizado até hoje.

Foi somente nesse período que Itália, Espanha, França e Suíça usavam o mármore por meio do comércio das rochas. Esses países deram o pontapé inicial para o que viria a se tornar o grande comércio de pedras naturais.

Com o passar dos tempos

No século XIX o uso de rochas ornamentais para construção civil tem início novamente e a produção do mármore aumenta, especialmente do mármore Carrara – de cor branca ou azul-cinza, localizada em várias jazidas (principalmente na cidade de Carrara, na região da Toscana, na Itália) – e consequentemente, a exportação de blocos da rocha, principalmente para a França, Alemanha e Estados Unidos.

Atualidade

O uso do mármore em construções foi ganhando cada vez mais espaço e interpretações diferentes, ao longo dos anos. Se antes o mármore era utilizado como sinônimo de riqueza e grandeza, hoje a versatilidade de seu uso é mais ampla, mas ainda carrega em sua raiz o luxo, pois é capaz de transformar qualquer ambiente simples em sofisticado.

No Brasil, existem algumas jazidas de mármore espalhadas, principalmente pelos Estados do Espírito Santo, Paraná e Minas Gerais, que concentram nos seus subsolos algumas das melhores rochas naturais que podem ser obtidas no nosso país. O mármore branco da Michelangelo e do Paraná é exclusivo das jazidas próprias da Michelangelo Mármores do Brasil e está presente em grandes projetos em todo o país.

Além de utilizado na construção e arquitetura, o mármore também está muito associado à decoração, através do seu uso em móveis, objetos decorativos e obras de arte.

Mas diante de todos esses registros, uma coisa não se pode negar: tanto atualmente, assim como ao longo de sua história, o mármore está ligado à harmonia e requinte que traz ao ambiente, tornando assim a pedra mais pedida em grandes projetos.

Conte com a Michelangelo Mármores do Brasil, com tanta história para contar, em seu projeto.

× Agende seu horário