Ciclo de vida do Mármore - Michelangelo
Ciclo de vida do Mármore

Em 23 de fevereiro de 2022

Na crosta terrestre existem 3 tipos de rochas: as rochas ígneas ou magmáticas, as rochas metamórficas e as rochas sedimentares. 

O mármore é uma rocha metamórfica, ou seja, foi originada a partir do metamorfismo do calcário, que é uma rocha de origem sedimentar, composta basicamente por carbonatos de cálcio e magnésio. O calcário quando exposto a altas temperaturas e pressão de baixa a moderada se torna um mármore.

Isto explica por que as maiores jazidas de mármore se encontram em regiões de atividades tectônicas que metamorfizam o calcário passando por alterações físico-químicas se transformando em uma rocha metamórfica. 

O mármore é uma rocha explorada para uso em construção civil, em decorações, na confecção de objetos ornamentais, móveis e esculturas. É daqueles materiais que encantam qualquer um com a maior facilidade. Não importa em que ambiente, se é no chão, nas paredes, em alguma bancada ou em objetos, ele sempre rouba as atenções.

Mas você conhece qual é o ciclo de vida desta rocha? Estamos familiarizados com o seu uso em nosso dia a dia, através da arquitetura e decoração. Mas como foi produzido e qual é seu destino, depois que for descartado?

Vamos descobrir juntos!

Avaliação do Ciclo de vida

Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. A Avaliação do Ciclo de Vida ou Análise do Ciclo de Vida (ACV) é uma técnica que estuda os aspectos ambientais e os impactos potenciais (que podem ser positivos e/ou negativos) ao longo da vida de um produto ou serviço, desde a extração da matéria-prima até a destinação final.

Etapa inicial: Extração

Há diversos métodos para extração de rochas como o mármore. Dentre elas, destacam-se:

Fio Diamantado:

Essas rochas precisam ser extraídas em blocos geométricos regulares. Desse modo, são feitos furos com perfuratriz na parte superior vertical da rocha e na parte inferior horizontal, onde esses furos se encontram, sendo possível passar o fio diamantado. Assim, é possível fatiar a rocha em blocos nas dimensões desejadas.

Massa Expansiva:

Logo após o corte dos blocos com o fio diamantado pode-se utilizar argamassa expansiva ao longo desse corte. Ao ser misturada com água, essa argamassa sofre um processo de hidratação aumentando seu volume e devido à pressão resultante atua para que o bloco se mantenha afastado da porção de onde foi recortado, para que possa ser movimentado para o transporte posterior.

Desdobramento do bloco em chapas

Após o processo de extração da rocha em blocos, eles são enviados à fábrica para serem cortados em chapas de espessura normalmente entre 3 e 5 cm. Podem ser realizados três tipos de métodos básicos para fazer o desdobramento dos blocos produzidos nas jazidas: corte com talha-blocos, corte com fio diamantado e corte com tear multilâminas.

Etapa central: utilização do mármore 

Como já vimos anteriormente, a pedra é um dos materiais utilizados pelo homem na construção civil, há muitos séculos.

O mármore pode apresentar uma variedade de cores e texturas, por isso ele é altamente utilizado na arquitetura e decoração. Mas, além das questões de estética e sofisticação, essa rocha apresenta características bastante impressionantes, como a durabilidade, média porosidade e resistência capaz de suportar os usos destinados a ele. 

A manutenção do mármore deve ser feita regularmente e envolve a limpeza da peça com detergentes de pH neutro, além da sua impermeabilização. Deve-se evitar o contato com água sanitária, ácidos, óleos e gorduras, frutas cítricas, vinagre e vinho tinto, que possam manchar e corroer o material. 

Etapa final: descarte, reciclagem e reutilização 

O descarte de retalhos de mármores é sempre uma questão levantada pela indústria de rochas. Em alguns casos são encaminhados para lagoas de decantação ou aterros. Os processos de cortes e acabamentos do mármore resulta em um resíduo na forma de lama abrasiva que, geralmente, é depositada em pátios.

Contudo, é necessário buscar alternativas e ideias que possam ser utilizadas para agregar valor ao descarte dessa matéria-prima e contribuir para o meio ambiente, dando melhor destino a esses materiais.

Nessa etapa final do ciclo do mármore ocorrem sobras laterais pequenas e com formato irregular, chamadas de “casqueiros”, que podem ser úteis para a reciclagem e reutilização.

Reciclagem:

Esses resíduos em pequenos pedaços (casqueiros) podem ser reciclados para se tornarem texturas para paredes ou muros de arrimo, por exemplo. Se triturados podem ser utilizados como britas em pátios, revestimentos em estradas, jardins e pisos.

Outro reaproveitamento do mármore em pedaços é a criação de artes como mosaicos, artesanatos, utensílios domésticos e de decoração, entre outras opções.

Confira nosso post no Instagram sobre mosaico com mármore branco

A Michelangelo Mármores do Brasil acredita no respeito pela natureza como forma de preservar a sua essência em cada detalhe de nossos mármores, desde a extração, até o melhor aproveitamento para as pequenas sobras desta linda matéria-prima.

× Agende seu horário